Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Crónicas da Mar

Os meus pensamentos e reflexões sobre tudo aquilo que me inspira a escrever.

As Crónicas da Mar

Os meus pensamentos e reflexões sobre tudo aquilo que me inspira a escrever.

Novembro 02, 2021

Mar

Escrever nunca foi uma grande paixão minha. Daí não ter publicado nada neste blog desde fevereiro. Na verdade raramente me lembrava que tinha um blog, mas quando escrevi o primeiro post tinha a consciência de que provavelmente seria o único post que escreveria. Nunca me comprometi com o blog e não é agora que me vou comprometer, mas preciso de expressar estes pensamentos e sentimentos de alguma forma. Não de uma forma como a dança ou a música - apesar de gostar muito de dançar e de tocar - mas de uma forma em que outras pessoas possam perceber com exatidão aquilo pelo qual estou a passar. Provavelmente estão a pensar que a minha vida está caótica, mas não se preocupem. Eu é que sou muito dramática.

Eu acredito em Deus e tenho uma relação bastante íntima com Ele (amén), e claro que já falei com Ele sobre este assunto. Mesmo que eu não Lhe tivesse dito nada Ele sabia aquilo pelo qual eu estava a passar e como isso me estava a afetar, mas Ele gosta que nós falemos com Ele. Tal como numa amizade humana, falar e passar tempo com a outra pessoa fortifica a relação.

No entanto preciso de contar esta minha situação a um ser humano. Não sei a quem. Por mais que me sinta à vontade com alguém, tenho a sensação de que nunca ninguém irá realmente entender o meu desespero. Mas preciso de dizer com a minha boca aquilo que me está a sofucar. Não preciso nem quero que me respondam. Só que quero que me ouçam e me entendam. Os olhos revelam se as pessoas entendem, se se colocam na nossa pele e sentem, temporariamente, durante o tempo que for necessário, a mesma dor que nós. Sempre que me imagino a contar isto a alguém imagino essa pessoa com o fundo dos olhos confuso e vazio, como se tivesse apenas ouvido e não sentido ou esforçado o suficiente para se identificar.

Podia ir falar com a psicóloga da escola. Já tive algumas consultas com ela e gostei das nossas conversas. No entanto Deus é o melhor psicólogo, só Ele sabe o tipo de ajuda que eu preciso. Como disse anteriormente, não quero a ajuda de nenhum ser humano, mas não posso chegar ao gabinete da psicóloga, explodir o meu drama e ir-me embora. Poder posso, mas ela provavelmente não ia gostar.

Sei que escrever um post sobre este meu problema não se compara a dizê-lo a alguém, mas mais nada me ocorre.

Estou de momento no décimo segundo ano, na área de Ciências e Tecnologias, e eu DETESTO, ODEIO, ABOMINO as minhas disciplinas. Quais são as minhas disciplinas? Português, Educação Física, Matemática A, Física e Aplicações Informáticas. Não odeio todas, mas a maior parte delas.

Antes de aprofundar este assunto, quero deixar escrito que considero muito injusto ficarmos presos a uma decisão que tomámos quando tinhamos 15 anos, na maioria dos caso, ou até 14. Quando transitamos do nôno para o décimo ano somos confrontados com uma grande decisão. Uma decisão que irá definir todo o nosso futuro, toda a nossa vida. Temos de escolher a área e as disciplinas. Mas como é que é suposto uma criança saber o que quer fazer da vida? Com 14 ou 15 anos nós ainda nos estamos a descobrir. "Quem sou eu?", "Quais são os meus gostos?".

Por mais que pense não me ocorre nenhuma forma de substituir ou melhorar esta fase da educação. Termos de estudar todas as disciplinas até completarmos 18 anos não é solução, pois é impossível aprender tudo o que há para aprender em apenas três anos. São muitas disciplinas. Ou seja, estou a criticar mas na verdade não sei como resolver. Só sei que de momento estou muito infeliz por causa de uma escolha que eu tomei quando ainda era uma criança. Não digo que ter decidico seguir Ciências e Tecnologias tenha sido um erro. Na altura fez sentido:

Como não sabia no que me queria tornar no futuro, quis manter o máximo número de portas abertas possível. Em Ciências e Tecnologias tinha Matemática A, que abre logo um número gigante de portas, escolhi Geometria Descritiva A, porque me chamava a atenção e queria manter a porta do Design aberta e também escolhi Física e Química, porque não gostava de Biologia e Geologia e porque o meu pai sempre desejou que eu seguisse Engenharia, tal como ele. Claro que eu até gostava destas disciplinas e tirava boas notas. Não aconselho ninguém a ir para Ciências e Tecnologias só por ter muitas saídas, convém gostarem e terem facilidade nas disciplinas.

Concluindo, essa decisão não foi um erro, os meus gostos é que mudaram. Ou melhor, desapareceram. No ano passado e no décimo ano eu adorava Matemática e detestava Português. Este ano estou ao contrário. Gosto razoavelmente de Português e detesto Matemática. Eu até me aguentava se não gostasse só de Matemática. Mesmo que não goste da disciplina tiro boas notas, mas acontece que eu também detesto, com muita força, Física e Aplicações Informáticas. Sim, eu escolhi estas duas últimas disciplinas, mas eu nunca ia adivinhar de que repentinamente fosse deixar de gostar dessas áreas.

Resumindo, eu tenho cinco disciplinas, abomino três delas, cada vez que tento estudar sinto-me torturada e, portanto, não consigo estudar. Eu preciso dessas disciplinas, não porque os seus conteúdos me vão ser úteis no futuro mas porque é a essas disciplinas que estou a ser avaliada. Mesmo que eu queira seguir um curso que não tenha nada a haver com a minha área, eu preciso de tirar boas notas e para isso preciso de estudar e estar atenta nas aulas - coisas que eu não tenho feito desde que o ano escolar começou.

Eu até podia sentir medo ou receio por fazer testes praticamente sem estudar, mas nem isso. Porquê? Porque eu não estou motivada. Não gosto do meu presente e não tenho planos para o futuro. Não faço a mínima ideia do que quero seguir. Eu literalmente não gosto de nada.

Claro que tenho interesses. Eu gosto muito de cinema, mas não quero ser realizadora. Amo moda, mas não quero ser designer. Gosto de ler mas não quero ser escritora. Estão a acompanhar?

Muitas vezes penso "Posso não gostar de nada agora mas posso vir a gostar de alguma coisa no futuro (Deus queira que sim). Tenho de me empenhar nestas disciplinas para que não me arrependa no futuro, para que não fique impedidade seguir aquilo que vou querer seguir.", mas nem isso tem servido como motivação.

Já perdi a conta do número de pessoas que me disseram "É aguentar só mais um ano.". Não é aguentar, é lutar para sobreviver. É "só mais um ano" a fazer o que não gosto.

 

Não quero terminar o post com más vibrações, por isso desejo que, independentemente da fase da vida pela qual estão a passar, vos esteja a correr. Deus vos abençoe! Mil beijos <3

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub